Buscar
  • Focinho Caridoso

POR QUE COMEMORAR O DIA MUNDIAL DOS ANIMAIS?

Comemorado hoje, dia 04 de outubro, o Dia Mundial dos Animais pode até passar despercebido ou nem é conhecido por muitas pessoas, mas tal data nos convida a uma reflexão importantíssima, como enxergamos os animais ao nosso redor?


A data, dia 04 de outubro, possui uma ligação muito forte com a Igreja Católica e foi instituída em 1931, durante uma convenção sobre ecologia que ocorreu em Florença, na Itália. Nesse mesmo dia, comemora-se o nascimento de São Francisco de Assis, considerado pelos religiosos como protetor dos animais e guardião da ecologia, sendo que muitas instituições religiosas promovem ações especiais para celebrar a vida dos animais e a natureza.


Entretanto, independente de crenças e credos, o Dia Mundial dos Animais foi criado com um grande intuito, promover a Declaração Universal dos Direitos dos Animais que, em breves 12 artigos, estabelece princípios a serem respeitados na relação do homem frente a individualidade de cada animal. Proclama-se:


1°. Todos os animais nascem iguais perante a vida e possuem os mesmo direitos à vivê-la.


2°. Todo o animal tem o direito a ser respeitado. O homem, como espécie animal, não pode exterminar os outros animais ou explorá-los violando esse direito; tem o dever de pôr os seus conhecimentos ao serviço dos animais. Todo o animal tem o direito à atenção, aos cuidados e à proteção do homem.


3°. Nenhum animal será submetido nem a maus tratos nem a atos cruéis. Se for necessário matar um animal, ele deve ser morto instantaneamente, sem dor e de modo a não provocar-lhe angústia.


4°. Todo o animal pertencente a uma espécie selvagem tem o direito de viver livre no seu próprio ambiente natural, terrestre, aéreo ou aquático e tem o direito de se reproduzir. Toda a privação de liberdade, mesmo que tenha fins educativos, é contrária a este direito.


5°. Todo o animal pertencente a uma espécie que viva tradicionalmente no meio ambiente do homem tem o direito de viver e de crescer ao ritmo e nas condições de vida e de liberdade que são próprias da sua espécie. Toda a modificação deste ritmo ou destas condições que forem impostas pelo homem com fins mercantis é contrária a este direito.


6°. Todo o animal que o homem escolheu para seu companheiro tem direito a uma duração de vida conforme a sua longevidade natural. O abandono de um animal é um ato cruel e degradante.


7°. Todo o animal de trabalho tem direito a uma limitação razoável de duração e de intensidade de trabalho, a uma alimentação reparadora e ao repouso.


8°. A experimentação animal que implique sofrimento físico ou psicológico é incompatível com os direitos do animal, quer se trate de uma experiência médica, científica, comercial ou qualquer que seja a forma de experimentação. As técnicas de substituição devem ser utilizadas e desenvolvidas.


9°. Quando o animal é criado para alimentação, ele deve de ser alimentado, alojado,

transportado e morto sem que disso resulte para ele nem ansiedade nem dor.


10°. Nenhum animal deve ser explorado para divertimento do homem. As exibições de animais e espetáculos que utilizem animais são incompatíveis com a dignidade do animal.


11°. Todo o ato que implique a morte de um animal sem necessidade é um biocídio, isto é um crime contra a vida.


12°. Todo o ato que implique a morte de um grande número de animais selvagens é um genocídio, isto é, crime contra a espécie. A poluição e a destruição do ambiente

natural conduzem ao genocídio.


13°. O animal morto deve ser tratado com respeito. As cenas de violência de que os animais são vítimas devem ser interditadas no cinema e na televisão, salvo se elas tiverem por fim demonstrar um atentado aos direitos do animal.


Agora que você já conhece um pouquinho da Declaração Universal dos Direitos dos Animais e que hoje é o Dia Mundial dos Animais, eu te convido a uma reflexão, o que faz dos seres humanos, também animais, tão superiores aos demais? de tal forma a até mesmo justificar e tornar comum, infelizmente, cenas de maus-tratos e desrespeito à vida animal? Seria a tão difundida ideia de seres “racionais” e “irracionais”? Acho que já temos provas o suficiente para enxergar os animais, e não digo somente os que estão dentro de nossos lares, como seres sencientes, capazes de sentir, demonstrar suas emoções e dotados direitos, a qual temos que respeita diretamente e indiretamente, cuidando para que nosso lixo, desperdício e irresponsabilidade seja causa de sofrimento para eles.


Termino com uma famosa frase, mas espero que além de famosa, ela seja também uma combustível para a mudança de nossas atitudes frente aos animais:


A compaixão pelos animais está intimamente ligada a bondade de caráter, e quem é cruel com os animais, não pode ser um bom homem.”

Arthur Schopenhauer


Texto confeccionado pela Diretora de Voluntários da Focinho Caridoso

Ana Clara Carmo Torres

Graduanda em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Goiás


10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo